Gênesis Israel Silva

O Significado do Arco-Íris na Bíblia | Estudo Bíblico Evangélico

O Significado do Arco-Íris na Bíblia | Estudo Bíblico Evangélico

Qual seria o significado do arco-íris na Bíblia? O arco-íris significa que Deus não destruirá mais o mundo com água, com um dilúvio, como aconteceu na história de Noé e a arca.

Sabemos que a maldade da raça humana fez com que Deus tomasse uma medida drástica, destruindo tudo em um grande dilúvio e começando tudo novamente.

E ao invés de fazer uma criatura nova a partir de materiais inertes, como fez com Adão, Deus salvaria uma família, e dela repopularia o mundo.

“E disse o Senhor: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, Desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito.” Gênesis 6:7

E como Deus escolheria uma família que valeria a pena ser poupada, em meio a tanta corrupção? O Gênesis afirma, sem problemas, que Noé alcançou o favor do Senhor:

“Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor.” Gênesis 6:8

E logo no próximo verso, o motivo desta escolha é explicado:

“Noé era homem justo e perfeito em suas gerações; Noé andava com Deus.” Gênesis 6:9

O dilúvio na mitologia oriental

A narrativa bíblica é bem diferente das histórias encontradas na literatura primitiva do oriente médio.

Naqueles contos míticos, um homem também é salvo quando os deuses decidem exterminar a raça humana, mas nenhum motivo é apresentado. Não há nenhuma condição moral envolvida.

Apenas é dito que um dos deuses resolve salvar o seu humano favorito. E também não há nenhuma causa moral para se trazer o dilúvio.

Em um épico acadiano, nós lemos que a razão para o dilúvio foi que o “deus enlil” se sentiu incomodado com o barulho que os seres humanos faziam na terra.

Mas o Gênesis nos informa que o mundo foi destruído por causa da corrupção moral, desrespeito às leis básicas de uma sociedade e por causa da violência. E Noé foi salvo porque:

“tenho visto que és justo diante de mim nesta geração” Gênesis 7:1.

Consolo e repouso

A importância de Noé é inquestionável. Ele desempenha o papel principal na história bíblica do dilúvio. Há dez gerações de Adão até Noé, e outras dez gerações de Noé até Abraão.

Seu nome – נֹחַ Noach – vem da raiz לָנוּחַ lanuach, “repousar”.

Isto tem um nível profundo de conexão com o dilúvio, uma vez que ao final de cento e cinquenta dias:

“a arca repousou  [וַתָּנַח vatanach] no sétimo mês, no dia dezessete do mês, sobre os montes de Ararate”. Gênesis 8:4.

A Bíblia dá a sua própria interpretação para o nome de Noé, o derivando de I’nahem, “consolar”, “expressar condolências”:

“Este nos consolará [יְנַחֲמֵנוּ y’nahamenu] acerca de nossas obras e do trabalho de nossas mãos, por causa da terra que o Senhor amaldiçoou” Gênesis 5:29.

Noé se torna em uma espécie de segundo Adão, do qual toda a humanidade viria a descender.

Através dele, também, a maldição que o pecado de Adão trouxe ao mundo seria mitigada, por causa do sacrifício que um de seus descendentes faria no calvário, milênios depois do dilúvio.

A maldade humana

Uma das perguntas mais perplexas que podemos fazer é sobre a natureza da maldade humana. Este assunto está presente no coração de toda a escritura sagrada, e vem sendo discutida desde o princípio do mundo.

O Gênesis nos mostra que os seres humanos são naturalmente imperfeitos, e que a origem de sua imperfeição se revelou pela desobediência de Adão e Eva no Éden.

Também podemos ver essa imperfeição por meio da vida de Caim, que não foi capaz de resistir ao pecado que “estava à porta”, mesmo ele sendo avisado de que “sobre ele deveria dominar”.

E agora, na geração do dilúvio, se manifesta não mais individualmente, mas contamina toda uma civilização.

“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente” Gênesis 6:5.

O mal se espalha de forma universal, e a corrupção daquela sociedade foi de uma grandeza tal que a Torá faz uma de suas afirmações mais dramáticas:

“A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra” Gênesis 6:11-12.

Ao invés de haver uma evolução, onde a sociedade seria mais justa, onde a justiça social reinaria, toda a civilização se enche de violência, criando um mundo onde a busca pelo que era errado afeta todas as instituições humanas.

Este não era o mundo que Deus tinha a intenção de criar.

A história do dilúvio foi amplamente contada nas mitologias no antigo Oriente Médio (inclusive na história dos nefilins), mas em nenhuma delas havia qualquer indicação de que a destruição foi trazida por causa da corrupção moral e da violência dos seres humanos.

A verdade, porém, é que toda a carne se corrompeu e sucumbiu ao pecado.

E a justiça divina traz um grande dilúvio à terra, destruindo o mal e a maldade humana, para um novo recomeço. Mas infelizmente os descendentes de Noé, na torre de Babel, não se provam muito melhores do que os de Adão.

O meu arco tenho posto nas nuvens

Deus já sabia deste fato de que “toda imaginação do homem era má desde a sua meninice”. Depois que as águas do dilúvio secaram, YHWH – Yahveh – o Deus de misericórdia declara:

“e o Senhor[יְהוָה YHVH ou Yahveh] disse em seu coração: Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem;

porque a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice, nem tornarei mais a ferir todo o vivente, como fiz” Gênesis 8:21.

E Deus estabelece uma nova aliança com Noé e seus filhos, de que não tornaria mais a trazer tamanha destruição ao mundo novamente, e como símbolo desta aliança Ele estabelece o seu arco nas nuvens do céu.

“E eu convosco estabeleço a minha aliança, que não será mais destruída toda a carne pelas águas do dilúvio, e que não haverá mais dilúvio, para destruir a terra. E disse Deus:

Este é o sinal da aliança que ponho entre mim e vós, e entre toda a alma vivente, que está convosco, por gerações eternas.

O meu arco tenho posto nas nuvens; este será por sinal da aliança entre mim e a terra” Gênesis 9:11-13.

Qual é o significado do arco-íris na bíblia?

A palavra em hebraico para arco-íris é קַשְׁתִּי “keshet”. Interessantemente, a palavra Keshet, além de arco-íris, também significa arco apenas. É bem fácil ver que a conexão da palavra arco em português e em hebraico é a mesma.

Os hebreus antigos se referiam ao arco-íris como um arco (um instrumento de guerra), usando a mesma palavra, tanto para o arco-íris como para o armamento arco e flecha.

Interessante também notar que a curvatura do arco de guerra mostra a direção para o qual ele aponta a sua flecha.

Mas voltando para o Gênesis, Deus estabeleceu o seu arco nas nuvens para mostrar que não mais destruiria a terra por causa do homem.

E se Deus não destruiria mais o mundo por causa dos pecados do homem, isso queria dizer que Ele passaria então a tolerar a maldade humana? A resposta fundamental é NÃO!

Como Noé [repousar, consolar], o nosso consolo e repouso é representado pelo símbolo à semelhança de uma arma feita para derramar sangue, que agora, visto da perspectiva da terra, apontava em direção ao céu.

Era o arco de guerra de Deus em um local onde todos podiam ver.

Deus agora aponta para si mesmo uma flecha afiada, que viajou durante séculos, e que foi encravada na sua carne enquanto estava pendurado no madeiro, fazendo com que saísse sangue e água do seu corpo.

Sangue para a purificação dos pecados e água para a lavagem da maldade humana.

“Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.” João 19:34

“E outra vez diz a Escritura: Verão aquele que traspassaram.” João 19:37

Deus não mais castigaria a humanidade por seus próprios erros, mas faria com que esse castigo e essa maldição recaísse sobre os céus, sobre Ele mesmo, pois na cruz era Deus (o Pai) castigando Deus (Jesus) para salvar o ser humano de suas maldades.

Essa é a verdade monumental que Noé, o dilúvio e o significado do arco-íris na Bíblia nos ensinam.

Que Deus na sua infinita misericórdia aponta para si mesmo a punição pelos pecados do mundo, que deveria cair sobre todos nós, mas graças a Deus que o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele.

“Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” Isaías 53:5

Sobre o autor | Website

Formado em Hebraico Bíblico, Geografia Bíblica, Novo Testamento, e Estudos do Apocalipse; é Especialista em Estudos da Bíblia, certificado pelo Institute of Biblical Studies da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!