Milagres Israel Silva

A Galileia no Tempo de Jesus | Estudo com Mapa

A Galileia no Tempo de Jesus | Estudo com Mapa

No que tange à vida do nosso Mestre e Senhor Jesus Cristo, a Galileia é sem dúvida a província de maior destaque em toda a antiga terra de Israel.

Galileia vem do hebraico גָּלִיל Galil, empregada desde o Antigo Testamento, que significa círculo ou distrito.

O historiador Flávio Josefo desde o primeiro século já descrevia a Galileia em seus escritos. Seu texto nos oferece uma boa oportunidade de conhecer
melhor
os aspectos físicos e limites territoriais desta parte de Israel.

Limites físicos da Galileia

No primeiro século de nossa era, a Galileia era limitada a sudoeste pela cordilheira do Carmelo. Esta província s e estendia:

  1. a sudeste,
    até Citópolis;
  2. a leste, chegava ao Jordão e ao lago Tiberíades;
  3. ao norte, até os confins de Tiro; e
  4. a nordeste, até o pé do Hermom.

Estava dividida em duas partes:

  1. Ao norte, a Galileia superior, que compreendia a região das montanhas mais altas; e
  2. ao sul, a Galileia
    inferior, que foi a Galileia de Jesus.
nazaré na galileia

Nazaré na Galileia, a cidade da infância de Jesus.

Os Galileus

Josefo afirmou que os galileus eram muito laboriosos, ousados, corajosos, impulsivos e fáceis de irar-se. Ardentes patriotas, os galileus
suportavam, a contragosto, o jugo romano.

Estavam mais dispostos aos tumultos e sedições do que os judeus de outras províncias (Lucas 13.2; Atos 5.37). O Talmude
acrescenta que os galileus davam mais importância à honra do que ao dinheiro.

A Galileia dos gentios

Embora a população fosse judaica em sua maior parte, porém devido à localização da província, aberta ao norte e vizinha da Fenícia e
Síria
, essa população vivia inevitavelmente em contato com os pagãos dos arredores, alguns dos quais estabeleceram-se em seus territórios.

Por isso, já na época de Isaías, usava-se a expressão “Galileia dos gentios” (Isaías 9.1), que Mateus chama de “Galileia das nações” (Mateus 4.15).

Essa convivência havia influenciado o espírito dos galileus, motivando certo relaxamento no fervor religioso, que era digno de elogio, ao menos
no respeito às tradições farisaicas, que os galileus encaravam com certa liberdade.

Daí o motivo de seus irmãos da Judeia os tratarem com desdém. Certa vez, os doutores de Jerusalém disseram a Nicodemos:

“És tu também da Galiléia? Examina, e verás que da Galiléia nenhum profeta surgiu” (Jo 7.52).

haifa galileia

A Galileia junto ao mar de Tiberíades.

A dicção dos Galileus

Uma das características dos habitantes da província da Galileia era sua defeituosa pronúncia do idioma falado naquela época na Judeia e Samaria.

Isso contribuía, e muito, para colocá-los em condição de inferioridade aos olhos dos bons falantes da Judeia e de Jerusalém; e isto provocava muitas injúrias
e sarcasmos.

Expressões estranhas, descuidos gramaticais, sotaque especial, pronúncias indistintas de algumas letras, tudo isso denunciava os galileus
no momento em que falavam.

Isso nos permite compreender por que Pedro foi imediatamente reconhecido como galileu por sua linguagem no pátio do palácio de
Caifás (Mateus 26.73).

Cidades da Galileia

A encarnação de Jesus Cristo e sua vida pessoal, enchem de glória a cidade de Nazaré, a flor da Galileia.

Do alto da colina que a domina,
pode-se estender o olhar até Séforis, que segundo Josefo, era a cidade mais importante de toda a província.

Nela residiu o Sinédrio durante algum tempo, depois da destruição de Jerusalém pelos romanos, antes de estabelecer-se em Tiberíades.

Tiberíades foi construída por Herodes Antipas, na margem ocidental do lago que costuma ser designado com seu próprio nome. Ela foi assim chamada
em honra ao imperador Tibério.

Não longe dela, ao sul, existem fontes termais, águas ferventes, diz o Talmude, que ainda hoje são frequentadas.

Na margem mais ao norte, erguiam-se algumas cidades que ocuparam um considerável lugar na vida pública de Jesus: Cafarnaum, Betsaida,
Magdala e Corazim.

Na planície de Esdrelom, temos de citar Naim, situada ao sul do Tabor; Caifa, a Gathefer do
Antigo testamento, ao pé do Carmelo; um pouco mais ao norte, São João de Acre, na baía do mesmo nome.

Na Galileia Superior, via-se a noroeste do lago, a cidade de Safade, erguida sobre uma altura de onde ainda hoje se pode contemplar um belíssimo panorama.

Acredita-se que nela Jesus tenha se inspirado para um trecho do
Sermão do Monte (Mateus 5.14), quando fala da cidade que não poderia permanecer oculta.

Em direção oposta, acompanhando o curso do Jordão até uma de suas fontes principais, encontrava-se Banias, a antiga Baneias, chamada
nos tempos evangélicos de Cesareia de Filipo.

A ela está unida a recordação de um dos mais significativos episódios da vida de Jesus (Mateus 16.13-20).

Sobre o autor | Website

Formado em Hebraico Bíblico, Geografia Bíblica, Novo Testamento, e Estudos do Apocalipse; é Especialista em Estudos da Bíblia, certificado pelo Institute of Biblical Studies da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. Selma Maria disse:

    Gostei muito. Dessas informações é de grande valia para a nossa vida com Deus, Deus te abençoe amado irmão